A pandemia do novo coronavírus, ou covid-19, como foi classificado pela Organização Mundial de Saúde em fevereiro deste ano, originou-se na cidade de Wuhan, na China, e rapidamente se espalhou para outros países. Nós não temos tempo de nosmos para abandonar a realidade como a conhecíamos e, agora preparar, adaptar-nos às mudanças.

Com o passar dos meses, mesmo em meio a tantos medos e incertezas, já podemos perceber algumas das transformações que permitem e comportamentais que devem perder no que chamamos de novo normal. Embora as perdas causadas pela pandemia, deixarão as suas marcas no mundo, também podemos observar pontos positivos.

Acredito que muitas das lições desse período de pandemia e isolamento social levam-nos a um cenário otimista. Eu quero compartilhar agora com você alguns dos impactos pós-crise do coronavírus que vão abalar positivamente no modo como trabalhamos, estudamos e consumimos. Então, continue comigo para saber mais sobre o que nos espera!

1. Crescimento do home office

O número de empresas que pretendem adotar o home office após uma pandemia do coronavírus tende a crescer 30%, segundo o estudo Tendências de Marketing e Tecnologia 2020: Humanidade Redefinida e os Novos Negócios, que foi elaborado pela FGV e encabeçado por André Miceli, diretor executivo da Infobase e coordenador do MBA em marketing e inteligência de negócios digitais da instituição.

Algumas associações ficavam inseguras em proporção o home office ou não tinha uma estrutura tecnológica adequada para essa implementação iniciativa. Não era uma prioridade fazer com que os processos produtivos funcionassem com os trabalhadores em suas casas, até que fosse necessário, e todos precisaram adaptar-se.

Muitas empresas pretendem continuar com o home office, já que esse modelo traz praticidade e redução de custos. Claro que decisão é para os cargas que podem trabalhar assim, sem gerar prejuízos nas atividades. A economia de tempo e dinheiro é um ponto positivo também para os profissionais que moram longe da empresa, pois o deslocamento pode ser demorado e desgastante.

As equipes aprenderam na prática a tocar os projetos em estações de trabalho remotas. Ainda assim, muitos profissionais precisarão adquirir novas habilidades. Trabalhar em home office exige facilidade no uso de recursos tecnológicos, como acesso às bases de dados e plataformas operacionais. A boa notícia é que aprender também ficou mais fácil com a popularização do EAD.

2. Popularização do EAD

Os regras educacionais fecham as suas portas como medida de proteção contra o contágio por covid-19, e as escolas e universidades apostam em plataformas de EAD para darem continuidade aos cursos. Com o investimento feito, o modelo de ensino testado e os resultados excelentes, muitas instituições continuarão atuando no ambiente virtual.

Para a educação infantil e o ensino fundamental, que há um direcionamento específico do educador, há a necessidade de aulas presenciais. Porém, os alunos do ensino médio e dos cursos superiores adaptam-se muito bem ao ambiente online. Inclusive, uma educação sem fronteiras tem a vantagem de oferecer conhecimentos para pessoas diversas locais, desde que tenham acesso à Internet.

Essa modalidade combina com a vida moderna, pois permite a elasticidade do espaço e do tempo. Ou seja, as aulas podem ser visualizadas no horário em que o aluno se organiza para estudar. Também é possível enviar as dúvidas para os professores e participar do êxito na plataforma de ensino a qualquer momento, já que as informações postadas não se perdem com o tempo.

3. Adoção do ensino híbrido

O ensino híbrido é mais um dos impactos pós-crise do coronavírus e provavelmente é como as instituições presenciais vão voltar a funcionar assim que a autorização oficial para abrir as portas. Essa modalidade dispõe de todos os recursos tecnológicos e as vantagens do EAD, mas também conta com momentos presenciais.

Em alguns casos, não é possível adotar a modalidade EAD integralmente, como em cursos que se aproximam das práticas e experiências laboratoriais mais complexas. Nesse contexto, alguns dias de encontros presenciais são programados no calendário letivo para que essas atividades sejam realizadas.

4. Desenvolvimento tecnológico

Em recente análise do cenário atual, André Lemos, especialista em cultura digital e Mestre em Política de Ciência e Tecnologia, considerando que, após uma pandemia, percebemos um avanço nas nossas competências de trabalho e educação por meio de sistemas online, e, também, o desenvolvimento tecnológico continuará evoluindo de modo a incluir cada vez mais a nossa presença no ambiente virtual.

Com o isolamento social, professores aprenderam a ministrar aulas virtualmente, equipes em home office ajustaram-se para trabalhar ao mesmo tempo em seus projetos, e empresas incrementaram como suas redes de Internet para manter o fluxo de trabalho e atendimento. Sem que houvesse investimentos em tecno

logia, todas essas iniciativas não poderiam funcionar com sucesso.

5. Aumento do consumo online

O comércio eletrônico cresceu durante o isolamento social, uma vez que as pessoas experimentaram mais alternativas de e-commerce e passaram a solicitar serviços de entrega que não usavam antes. Fomos orientados a ficar em casa, principalmente os integrantes dos chamados grupos de risco. Então, precisamos encontrar opções de consumo.

Segundo Juçara Mapurunga, Doutora em Psicologia e professora do Programa de Pós-graduação em Psicologia da Unifor, estamos todos submetidos à mesma experiência, ao medo de sermos contagiados e, por causa disso, também repensamos conjuntamente nossos hábitos. Somos a população de diversos países reconsiderando juntos as nossas maneiras de consumir. Certamente isso causa um impacto.

O consumo online não se trata apenas dos tradicionais comércios eletrônicos nos quais compramos itens de supermercado e roupas, por exemplo. Esse tópico abrange todos os serviços e as atividades que levamos para o ambiente virtual, como encontrar amigos, ir a shows, receber atendimento psicológico, fazer cursos, entre outros.

Com o desenvolvimento tecnológico que marcou esse período, as plataformas estão a cada dia mais preparadas para atender ao mercado e oferecer aos consumidores uma experiência prática e prazerosa. Precisamos estar prontos para acompanharmos essas tendências e seguirmos com os nossos projetos dentro do novo normal, que já é a realidade.

Embora saibamos que as perdas causadas pela pandemia de coronavírus marcarão gerações, certamente esse período histórico também será lembrado por seus impactos positivos pós-crise. Os incrementos tecnológicos e as novas possibilidades de trabalhar e aprender, que facilitam a nossa rotina, são alguns bons exemplos. Quem sabe, vamos nos recuperar deste período como uma nação mais forte e integrada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.